quarta-feira, 3 de junho de 2009

Busca...

Busca...

O amor que ainda não encontrei
É belo como as despedidas do sol
Gostoso como lambidas do mar
Passeio na grama com pés descalços
Puro como um sorriso de criança
Sincero como segredo trocado em abraços

Procuro por esse amor
Nos abismos da alma
Nas gavetas da lembrança
Nos caminhos da lua
Nos corredores das catedrais
Nas incógnitas esquinas
Na paisagem urbana
Calçadas, becos e ruas
Nas ruínas dos castelos
Nas torres de pedra
No vórtice da rosa-dos-ventos
Nas contas do terço
Na ladainha da reza

Um amor que seja assim
Como uma dança de roda
Uma cantiga de ninar
Uma ciranda de versos
Uma louca poesia
Um arco-íris sorrindo no céu
Uma procissão de estrelas
Musica... Canção
Tempestade e calmaria
Uma dança de véus

Quando o encontrar quero perder-me dentro dele...
... Para nunca mais me achar


(AlexSimas)

3 comentários:

mirthes carolina disse...

poxa! que lindo! nunca encontrei este amor.
mas se ele existe mesmo, sorte de quem o tem, principalmente nos dias de hj. em que as pessoas vivem de aparências.
parabéns. lindooooooo.

Maria Inês Soares de Oliveira disse...

Lindo demais. Amores assim existem sim, basta que estejamos atentos aos nossos sentidos e prontos para vivenciar o natural, o simples encontro de duas pessoas disponíveis para a entrega verdadeira, sem reticências.

Maria Inês S. de Oliveira disse...

De todos os poemas que li do Alex, este foi o que mais me sensibilizou até o momento. È simples, completo e consegue traduzir a busca e o sonho que nutrimos por um amor verdadeiro e intenso.
Considero que a felicidade está sempre vinculada a afetos e a pessoas e não pode fundar-se em valores materiais de qquer tipo.
Parabéns lindo poeta.