terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Canção ao Poeta

Canção ao Poeta

Sou poeta sonhador
Vivo para morrer de amor

Pescador de ilusões
Alma de arlequim
Coração de pierrô

Sou poeta sonhador
Vivo para morrer de amor

Da rosa confidente
Amante da lua que lhe beijou
Andarilho das estrelas
Desde o dia que o mar lhe abraçou

Sou poeta sonhador
Vivo para morrer de amor

Por Deus designado a poetar
Ainda que seu coração
Só tenha tristeza e dor

Sou poeta sonhador
Vivo para morrer de amor

(AlexSimas)

Minha Culpa, Minha Única Culpa

Minha Culpa, Minha Única Culpa


Entreguei-lhe minha vontade
Minha luta, força e fadiga
Dei-te tudo de mim
Tudo que sou...
Tudo que sei...

Desiste de mim para viver por ti
Idolatrei-te e te fiz minha musa
Deleguei a ti minha felicidade
Amei-te acima de deuses e da razão

Entreguei-me a loucura
Adoeci de paixão
Subi aos céus e desci a infernos
Dancei com anjos e demônios

Nada me importava
Para tua felicidade eu vivia
Meu fardo não pesava
Minha cruz não doía
E assim foi através dos dias...
...E das noites

Cegou-me o brilho de teu falso amor
Vi mel onde só havia sal
Mendiguei tuas verdades
Pagasses-me com promessas e juras
Tão falsas quanto o beijo de Judas

De nada te culpo, perfídia
Sou eu único culpado
Culpado por acreditar-te
Culpado por idolatrar-te
Culpado por querer-te feliz
Culpado por te Amar

A mim nada deves
Nem as lagrimas que verto
Ou a dor que carrego
A ti só cabe a certeza
De ter sido amada
Como dantes ser algum...
... Foi amado

(AlexSimas)

Poesilofando...

.

A poesia é a síntese de toda verdade e toda mentira

Ela carrega em si todo o paradoxo do mundo

É senhora absoluta de todos os sentimentos que

Atormentam a alma humana, vagueia serelepe

Pelas veredas da razão e da loucura.

A lua que muito bem lhe representa, ela é de fases

Traz um lado escuro e outro que se reflete luz

Comanda sentimentos assim como a lua as marés

Hora alta, hora baixa e quando lhe sobeja a vontade

Extrapola alem dos limites, alem das margens

A lua brinca com as marés a poesia com os sentimentos

Do homem a quem encanta e espanta em igual proporção

Há quem diga ser a poesia o espelho da alma do poeta

E ainda assim lhe querem impor regras de quadras e métricas

Como se possível fosse regular a força das tempestades

A assolam os corações dos menestréis que as escrevem

Pobres dos que não as sentem, infelizes ainda os que

Lendo não as entende, porque poesia não se ler com os olhos

Poesia se sente no coração da alma onde habita toda a loucura

Que da razão é a verdadeira regente.

(SamisXela)

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Deslumbramento...

.
Vesti-me com teus aromas
Fundi m’alma em teu amor sedento
Numa perene floração de rosas
Dos mádidas jardins do encantamento

A essência redentora de arrebóis opalescentes
Fluem por entre estrelas, luas e sóis
Em infinitas esterias de alabastros incandescentes
Morrendo e renascendo na eclosão de teus beijos

Cantei para ti árias de meu fado
Transfigurei-me de paixão, desejo e loucura
Descobrindo muito tarde que o amor...
...É um mal que não se cura

(AlexSimas)

Noite...

.
Abriu-se em meu ser
Rosário de fundas agonias
Arremessando meu sonho branco
Contra as rochas do tédio voraz

Essa vertigem de um canto aflito
Ofusca madrigais sonhos de cores
Dos jardins de rosas passionais

Da beira desse recôndito abismo
Fecundo a dor sangrada do aceno
Na telúrica canção do adeus
Que responde o sereico canto do assédio
Exorcizo teu fantasma que me prende
Deixando-me cair no vazio do abismo...
...Que me entende

(Alexandre Costa)

Marcas...

.

Entre as paredes do quarto desarrumado
Teu perfume impregnado tange o cheiro
De meu cigarro...

Meus olhos cansados fitam o infinito
Atravessando o retrato
No profundo silêncio da saudade

Choro meu pranto
Sinto que minha dor
Suplanta todas as tragedias do mundo

Estrelas brincam de ciranda
No mesmo céu que testemunhou
O transloucado amor que dei

No chão de rosas pisadas
Ficaram rastros de tua partida
Marcando mais que o chão...
...Marcando minha vida

(AlexSimas)

Lobo Homem

.

Bebi do ópio de tua ânfora divina
Embriagando-me de plenilúnios etéreos
Na volúpia estranha de amor e encantamento

Narcóticos poemas toma meu ser
Domando os selvagens instintos
De um lobo outrora liberto
Apaziguado a beira do lago azul
Refletindo orgias de cores e perfumes
Vago por sonambulas noites insones
Purificadoras de todos meus martírios

Tuas invisíveis mãos buscam minha face
Letárgicas vibrações solfejam
Melodias de pecados vaporosos
Por entre paués de minha fantasia
Dança de ciranda com anjos dolentes
Circundando a dona do arreio
Do outrora lobo uivante

(AlexSimas)

Disfarce...

.

Nessa alucinação de trevas e angustia
Me visto de esperança e duvidas
Triste agonia de um coração
Que sofre em torvelinho

Disfarço no olhar hostil da face fria
O desejo infernal de possuir-te todo dia
Maldigo o sonho que habita esta alma sombria
Que insiste te amar com doçura e carinho

Padeço dessa doença maldita
Perdendo-me na louca volúpia abrasada
Alma penitente de tentação profunda
Maldita ânsia infinita que me inunda
Angustia de querer sem poder...
...Um dia te esquecer.

(Alexandre Costa)

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

1ª Canção Despudorada à Kercia

.
(K)isera eu que a escrita não tivesse regras
(E)as inundações não acontecessem para que o fim nunca chegasse. Que meu jardim fosse
(R)egado com o suor dos amantes e os raios do sol brilhassem
(C)ultivando assim o brilho das paixões desconexas e
(I)nvisivelmente a saudade ficasse no passado que nunca foi presente, para que
(A)dúvida não pairasse lentamente como borboleta por sobre a flor. Mas que voasse alto como as gaivotas.


( AihvlyS)

Sozinho...

.

Minha razão me preserva
Minha emoção me suicida
E na ânsia de morrer
Desejo viver, sem saber por quê

Estou cansado, muito cansado
Sigo por ruas de muitas esquinas
Vias que me levam, apenas sigo
Ando por entre uma multidão solitária
Invisível, não me vejo não me sinto

No sorriso a placa da modelo um rosto
Zomba de minha dor, do anúncio a mensagem
Você pode ser feliz! Como se felicidade
Fossem pílulas ou saches de chá.

No papel um rasgo da boca no canto
Deforma, transforma o antes riso
A agora modelo coringa parece buscar
Nas trevas da justiça o cavaleiro
Seu Batman perdido

Sigo preso na força da camisa
Prisma da visão perdida
Foco da crença que me move
Conseguir viver no sempre que é esse agora
Olhar para trás tentando ver...
... Em que parte do caminho me perdi de você

(AlexSimas)

The End...

.

Os roteiros que sonhamos para nossas vidas
Nem sempre são seguidos, e o protagonista
Que escolhemos para contracenarmos vem
E muda a historia, e o que era para ser um
Final feliz vira filme triste...

Mas a vida continua
O espetáculo não pode parar
A vida é um show
Sempre haverá outras historias
Que valem à pena encenar
Outros amores para viver
Outros roteiros para sonhar

(AlexSimas)

Por Quê?

.

No banheiro um espelho
Borrado com um adeus
Um vermelho batom
Zombava do que via, ria
No chão atirado lá estava
O resto da arma
De um crime sem sangue
No rosto refletido
A expressão da dor
No olho a lagrima entalada
Como o nó na garganta
O grito que queria, mas não saia
No corredor um rastro de perfume
Desafiava o cheiro da fumaça
Da rua que vinha, por onde você foi
Na cama lençóis em desalinho
No coração cravado uma interrogação
Por quê? Por quê?

(AlexSimas)

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Amor próprio não é orgulho...

Amor próprio não é orgulho...

O orgulho é filho do Ego, e o ego é egoísta e narcisista, ele é duro cruel e tem uma visão distorcida do mundo, por mais das vezes confunde humildade com humilhação, é astucioso nos convence sempre de que é melhor mentir do que se expor, se humilhar, cria em nossa mente a fantasia de que devemos nos defender do mundo, das outras pessoas negando nossas faltas, nossos deslizes e nos empurra para o caminho da mentira e dos subterfúgios e faz isso tão bem que nos convence que esse não o melhor caminho, nos convence de que é o único caminho...

O amor próprio por sua vez é sábio, uma pessoa que se ama é imensamente diferente de uma pessoa orgulhosa, ela é humilde sem ser fraca e sua força esta na franqueza, na verdade que carrega, sabe que errou, quando errou, em que errou e principalmente sabe reconhecer esses erros, e ao reconhecer seus erros, sabe pedir perdão, porque tem consigo a coragem da verdade.

O orgulhoso se acovarda e esconde-se por trás da mentira, e assim vive a eterna agonia de ser descoberto em sua mentira, tem medo e esse medo o torna agressivo então para defender-se ele se põe sempre na defensiva, torna-se desconfiado, não aceita criticas, não admite nem sob tortura que errou.

O amor próprio tem a coragem e a sabedoria daqueles que carregam a verdade em seus corações, andam sempre altivos e sem medo porque carregam consigo os escudos da verdade não temem a incompreensão porque suas consciências estão sempre em paz, e essa paz os faz pessoas calmas, tranqüilas e coerentes no que falam, porque diferente do orgulho o amor próprio só pratica aquilo que prega.

É difícil, extremamente difícil, combater o maldito Ego, porque ele nos enaltece, nos faz sentir importante, poderoso, nos diz sempre e nos convence de que não erramos - Não você não errou, você fez o que tinha que fazer, reconhecer seu erro é demonstrar fraqueza, é se expor, negue, minta - Esse é o ego, se você prejudica alguém ele diz - ele mereceu - Se você trai a confiança de um amigo ele diz - Ele não precisa saber, quem garante se ele também já não fez o mesmo com você? - e se você trai um companheiro de vida, a pessoa que você ama, ele diz - Calma, minta negue, se ele souber não te perdoa e você o perde, negue e continue negando, afinal foi apenas um deslize, bobagem, se ele não souber não vai mudar nada, e se desconfiar, negue, defenda-se mostre-se ofendido, ataque sempre e negue ate o fim, e se no final ele se for, você arruma outro, afinal e ele quem vai perder, veja como você é lindo, inteligente, com certeza encontra coisa melhor - E assim o maldito ego lhe ilude, lhe colocando em um pedestal construído de mentiras e falsas ilusões.


Todos estão sujeitos a erros, a deslizes, muitas vezes fazemos coisas das quais não nos orgulhamos e geralmente condenamos as pessoas que as fazem, porque estamos cegos pelas mentiras do ego, é a lei do FAÇA O QUE EU DIGO, MAS NÃO FAÇA O QUE EU FAÇO.
Aquele que anda na verdade nada teme, não se contradiz, não fala em desconformidade com o que faz.
A maior nobreza esta em reconhecer o erro, e pedir perdão por ele com humildade, porque errar é humano, mas a verdade nos absolve e nos torna fortes para enfrentar as incompreensões daqueles que colocam o Orgulho e a Vaidade acima do AMOR e da COMPREENSÃO.



A MAIOR PROVA DE AMOR QUE ALGUEM PODE DAR A UMA PESSOA, NÃO É NUNCA ERRAR COM ELA, MAS SIM RECONHECER QUE ERROU, CONFESSAR O ERRO E LHE PEDIR PERDÃO...
...a MAIOR PROVA DE AMOR QUE UMA PESSOA PODE DAR A ALGUEM, É NESSE MOMENTO SUBLIME LHE ACOLHER EM SEUS BRAÇOS, ACARICIAR-LHE A O CORAÇÃO E LHE DIZER, “NÃO TEMAS, EU TE AMO E ESTAREI SEMPRE CONTIGO”

(Samisxela)

Sinceramente é difícil ser sincero...

Sinceramente é difícil ser sincero...

Não é fácil ser sincero as pessoas não estão acostumadas com a franqueza e a verdade, já tive muito medo e por medo eu mentia, pra ser aceito eu mentia, para justificar minhas falhas eu mentia, para conseguir as coisas eu mentia...É difícil para uma pessoa reconhecer seus erros e principalmente confessá-los, é difícil descer do pedestal do EGO ate os porões de sua consciência e remexer em seus mais negros sentimentos e lembranças, levantar o tapete onde escondeu o lixo de suas ações e atitudes e limpar toda a sujeira escondida, abrir o baú onde guarda suas mascaras e ter a coragem de jogá-las fora ou pior ainda expor-las aos ventos e deixar que as pessoas vejam sua verdadeira face, temos medo de que nos achem feio, que se assustem com o que realmente somos, é preciso muita coragem para sermos nós mesmos. Mentimos para sermos aceitos, pregamos o que não praticamos e estamos sempre tentando justificar que precisa ser assim, porque o mundo é assim e as pessoas não estão prontas para a verdade, não aceitamos que no fundo somos covardes e nosso medo nos leva a mentir, omitir, esconder-nos por trás do escudo da mentira sem percebermos sua transparência. A mentira funciona como um espelho falso, daqueles usados nas salas de interrogatórios, só que virado para nós mesmos, nos vemos refletidos nele e não percebemos que as pessoas do outro lado estão nos enxergando através dele e essas pessoas por serem iguais a nós, fingem acreditar no que dizemos fazendo-nos crer em nossas próprias mentiras, porque elas também acreditam esconder-se por trás de espelhos como esses e assim como nós se acham espertas o suficiente para crerem ser melhor mentiroso que o outro.E quando surge alguém que diz: - UM DIA EU ACREDITEI NA MENTIRA, HOJE NÃO MAIS - então o chamam de demagogo, hipócrita, quando não de imbecil ou idiota, porque a vida é um teatro e teatro é fantasia e as pessoas confundem sonhos com fantasias e então elas mentem umas para as outras porque assim acreditam estar tornando a vida mais suportável, e principalmente porque acreditam ser elegante não constranger uma pessoa lhe dizendo – EU NÃO ACREDITO EM VOCÊ - assim agindo elas afastarão aquela pessoa de seu convívio, porque estarão machucando seu EGO, seus sentimentos, e obvio porque também não gostariam de serem francamente desmascaradas.As pessoas no fundo não são más ou falsas, elas são tolas e covardes.É preciso muita coragem para dizer a uma pessoa que você ama – NÃO PRECISA MENTIR PARA MIM, NÃO PERCEBE QUE EU LHE AMO E LHE ACEITO COM SEUS ERROS E FALHAS PORQUE EU TAMBÉM NÃO SOU PERFEITO?
É muito fácil se dizer amigo ou amante difícil é ser verdadeiramente um CUMPLICE.

Amigos são aqueles que mostram nossas falhas e nos ajudam a corrigi-las sem criticas ou eufemismos.
(Samisxela)
Sabe porque os espelhos não refletem palavras? Porque suas imagens são invertidas...

(Samisxela)
As palavras são como labirintos nos quais podemos nos perder

(SamisXela)

Kércia

K.E.R.C.I.A

(K) issed my mouth and my heart went crazy
(E) ntrou em minha vida, iluminando minha alma
(R) iu e chorou comigo, sonhamos outras realidades
(C) ometemos tinos e desatinos, loucuras e caretices
(I) ncutiu-me fantasias subjetivas, irreais...
(A) inda acredito em te amar para sempre

(AlexSimas)
Você pode jogar a VERDADE em um saco, traca-la em um Baú, amarra-lo com correntes preso a uma pedra, atira-lo no mais fundo dos rios, ainda assim ela dará um jeito de soltar-se e vir a tona...

Perfil...

.

Uma fotografia, um instante congelado no tempo
Uma expressão capturada em um momento
Único, insubstituível, frações de tempo reveladas
Um momento da alma, um perfil de paz
A figura se revela sem se revelar, perspectivas...
...Contradições

A eloqüência do silencio da imagem tudo fala
Lábios gritam o ditado da razão, lógica irrevelável
Imagens sussurram a voz do coração...
Falando o que se quer calar, sentimento irrefutável
O que não pensa, mas o que sente...
...A verdade incontestável.

(SamisXela)
Já nasci sabendo ouvir, mas só a pouco aprendi a escutar...

(Samisxela)

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Quem é você?

.

Quem é você que chegou desarrumando minha vida
Iluminando minha alma, escurecendo meus olhos...
... Para tudo o mais que não fosse você?

Quem é você que me desnuda o corpo cobrindo-me
O coração com sentimentos que nunca pensei ter?

Quem é você que me remeteu ao escuro
Trouxe-me de volta a adolescência, me fez maduro?

Quem é você que faz sonhar tirando-me o sono
Me faz querer não mais envelhecer e viver...
...Toda uma vida num momento apenas?

Quem é você que entrou em minha vida sem pedir licença
Tomou de assalto meus pensamentos, minha vontade?

Quem é você que me faz sorrir e chorar, ir e voltar
Voltar para não mais ir, ir e para sempre querer ficar?

Quem é você que sem muito me dizer, ensinou-me
Que paixão é um coquetel de desejos, e a única dor que...
... Acompanha o amor chama-se saudade

(AlexSimas)

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Ainda te Amo...

.

Corro através das madrugadas
Na busca de um amor que sobrou
Vagueio pela lua e seus quartos
Cheio de novas esperanças
Onde só restam ilusões...
... Esquinas sem direção

Enquanto o sol não me manda de volta
Ao inicio do caminho onde os amores são doces
E as manhãs eternas como as palavras das rosas
Que falam de silencio, nada mais...

O tempo flutua entre uma e outra cena
De sonho e realidade, loucura e sanidade
Onde tudo é normal

Minha oração nada pede, apenas agradece
O milagre do amor que se fez...
... E não se foi junto com você

(AlexSimas)

Condenado ao Amor

.

Nessa manhã que chega afagando-me os olhos
Traduze-te em clara luz de infinita beleza
Arrancando-me lembranças doces...
... Com aroma de framboesa

Teus raios atravessam a frágil cerca
Aonde em vão tenta esconder-se um coração
Marcando-me o assoalho da alma
Com listras salteadas escuras e claras

Lembrando-me prisioneiro voluntario
Da prisão do amor ao qual me encontro...
...Condenado

(AlexSimas)

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Corpo e Alma...

.

Em tua cama não sou só corpo, sou alma
Teu corpo não é apenas desejo, é berço
Não tenho mais como fugir de ti
Teus lábios vermelhos prenderam-me
Numa teia de palavras safadas...
Deleitosas, liquidas, incoerentes
Faladas, sussurradas, gritadas

Sou andarilho no caminho de teus pecados
Sou anjo seduzido aninhado entre tuas pernas

Absorto na emoção do gozo ansiado
Afogado no suor da ação de teu sexo
Encontro-me perdido em tua branca carne
Vagando entre céus e infernos
Em louco vôo de prazer sem volta
Descobrindo do porque nascemos
Lasciva paixão para qual vivemos

Minha alma agora em teu corpo tem o peso da luz
Meu corpo agora em tua alma tem o gosto do amor

(AtsoCErdnaxelA)

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Renascido...

.

Quero amar o que só você amou
Quebrar todos os meus espelhos
Meu melhor reflexo é teus olhos
Preso a imagem que carrego
Peço-te que reflita ao me refletir
Liberte-me do eu a que me prendo
Devolve-me a liberta prisão do amor
Para que eu veja o que sou...
Um espírito inefável fora do rumo
Dos místicos vôos do coração
Convida-me e aceitarei sentar-me
Junto à fogueira de tuas entranhas
Sentirei teu fogo queimar-me a carne
Tua chama iluminar meu escuro
Então sairei de dentro de mim
Parido por tu, serei teu filho...
Édipo novo de novo e para sempre
E dançaremos com o vento...
Correremos com os rios...
Amaremos com a lua e os poetas
Em meio às ruas do desejo
Entregando-se sem medo a cada...
... Nova manhã

(AlexSimas)

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Prisional...

.

No largo de teus olhos reencontrei meu sorriso
Num labirinto de beijos meu fôlego se perdeu
Por entre lábios e soluços afogado na paixão
Resgatei o amor do qual havia me perdido
Liberto do meu sonho de liberdade
Acorrentei minha alma a tua
Tornei-me carcereiro de mim mesmo
Para deixar fugir o medo de ser feliz

(AlexSimas)

terça-feira, 7 de outubro de 2008

Lânguido...

.

Acolheu-me o chão frio e duro
Onde me encolho para lamber
As feridas da alma surrada...

A dor... Tão intensa que já não a sinto
Os sonhos agora perdidos são como um
Móbile sobre o berço, vejo, quero...
...Mas não os alcanço

As lembranças sobre as quais passeio
Cortam-me a carne quais cacos de vidro
Espatifados no chão da memória

Não choro... Não sinto... Não vivo...
Não mais, sem nada, vazio, perdido
Sentido sem sentido combalido

Uma navalha, uma banheira...
...Falta água

Chão frio, muito frio...
Noite escura muito escura...

Corpo, alma, chão, cão
Frio, escuro, mudo, amargo

E essa água que não chega...

(Alexandre Costa)

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Abstração...

.

Bebi de teu amor no cálice da madrugada
Enquanto a manhã desabrochava no brilho de teus olhos
Enternecido sentei-me à soleira de meu coração
Pus-me a cantarolar uma cantiga antiga…
…Uma cantiga de ninar.

A fábula de que a letra falava era uma mistura de alegria e cor
De seres encantados vivendo uma eterna e utópica historia de amor
Qual infante apaixonado acreditei no ardil de tuas palavras
Desarmai minha alma, te deixei entrar para vivermos a canção...

Em ânsia louca te amei, teci sonhos insanos de um amor apaixonado
Minha felicidade tinha nome e endereço...
Teu sorriso bastava para iluminar minha noite mais escura
Éramos os dançarinos da caixinha de musica em eterno bailar

Então descobri que amar é sofrer tanto quanto querer...
Que o pérfido monstro da mentira escondia-se sob minha cama
De onde saiu ofuscando-te o sorriso e calando a cantiga...

Desculpa se a canção não é mais sentida
Desculpa pela lágrima perdida
Você mentiu para mim...

(AlexSimas)

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

As Razões da Emoção

.

Tão difícil calar quando o coração grita
Tão difícil falar quando a garganta soluça
Pensar, falar, calar a razão com a emoção
Pesar a emoção pela razão, deter o vôo
E pousar sobre as penumbras da vida

Como não olhar para trás se o rumor
Da magoa me segue com seus passos
Pesados em alvoroço descompassado
Como socorrer um coração despedaçado
Que desesperado segura-se no amor

Como parar o relembrar, reerguer
O confiar voltar a acreditar...

Juras-te em nome do amor, perfídia
Assim mentiste, chega, basta agora
Não ceda implora-me a razão
Acaba com essa droga de uma vez
Retoma teu rumo, respira fundo

Como forçar esse tolo coração
A parar de te amar, voltar no tempo
Quando as tardes eram louras
E a saudade trazia teu cheiro
Na brisa das lembranças...

Como? Se não consigo parar...
De sonhar em voltar a voar a teu lado.


(AlexSimas)

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

Divagações...

.

Em minhas conversas com o espelho...
Falo de meus sonhos de mágico caçador de nuvens
De banhos de chuva e beijos roubados...
De um sem números de sentimentos confusos
De estradas, caminhos e atalhos...
Das musicas que me fazem chorar, sonhar, amar...
De pessoas inesquecíveis, paixões infinitas
Ate o dia o dia que se foram tão subitamente Quantas chegaram...
De estrelas que colhi para presentear um amor
Que era pra te sido eterno e de certa forma foi...
De minha solidão acompanhada
Das presenças ausentes que me aconselham
Quando mais preciso...
Dos sorrisos faróis que acendem meus olhos
Espantando o medo de cair em meio à escuridão
Das noites dormidas pela metade...
De arrebóis e plenilúnios amanhecidos
Na grama úmida de jardins imaginários
Das muitas flores e outras rosas roubadas
Adormecidas em baús abarrotados...
...De momentos vividos e sonhados

(SamisXela)

sábado, 9 de agosto de 2008

Chuva...

.

Chove, não só La fora, chove aqui dentro... De minha alma
O vento que açoita a janela e esfria a sala convida-me a leitura
O frio que maltrata meu coração também me convida a meditar...
...Sobre o amor que antes me aquecia.

Na tela de minhas memórias revejo nosso filme, nossa historia
O enredo é intricado, intrigante, cheio de amor, paixão... Mentiras
Muita chuva... Muito frio... Muitas duvidas.

Encolho-me em contemplação qual criança perdida
Enquanto a chuva La fora me convida... Vem lavar tua dor
Abraço meus joelhos na falta tua, enquanto lembro...
...Em noites assim... Bom mesmo é se enroscar no Amor.

(AlexSimas)

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Quem Ama Confia...

.

Me perdi numa floresta de ilusões
Buscando uma estrada que me levasse à felicidade
Coração desfolhado pelo ingênuo fogo da paixão
Voei de alma limpa, aberta, plena de amor
Cai sobre o concreto da realidade
Atingido que fui pelas pedras da mentira...
Mesmo machucado acredito ser possível amar...
...E confiar no Amor.

(AlexSimas)

terça-feira, 29 de julho de 2008

Quero Paz...

.

Que tesouro é esse que tantos buscam…
…e poucos encontram?
Que cor tem?
Que tamanho tem?
Que cheiro?
Que gosto tem?

Imagino que sua cor seja de uma matiz só vista por anjos e crianças…
Acredito que seja grande e poderoso e ao mesmo tempo pequeno e frágil…
Seu perfume de tão suave só é percebido pelos de alma também perfumadas…
O sabor? Este nem imaginar ouso, pois quem prova da verdadeira paz…
…bebeu na taça de DEUS.

(samiSxelA)

sexta-feira, 27 de junho de 2008

Amantes...


Na flor de teu cio eu me perco...
Embriago-me no desejo do perfume
Que dela exala.
Meu corpo acalanta teu abraço
Arde em chamas
Quando meus lábios se perdem nos teus
Calando palavras ousadas
Evaporando o sereno que chega nos raios
Da lua que nos banha
Enquanto a noite enlouquece, perde a razão
E uma arquibancada de estrelas
Assistem perplexas
Nosso balé de amor

(AlexSimas)

Doce Pecado...


Que se procriem em mim os santos diabos
Que nasçam e que morram para tornar a viver
Meus desejos trancados...

Pois que a noite senhora da lascívia
Traz com ela a saudade de teu corpo
De teu cheiro, de tua boca úmida
Ávida de beijos...
Tua língua inquieta perpassa meu intimo
Devora minha carne, devassa minha alma

Desliza teus dedos por minha pele
Marca em versos nossa historia
Meu corpo é tua tabua, meu sangue tua tinta
Minha vontade tua escrava
Teu prazer...
...meu maior troféu

(AlexSimas)

Quandos...


Quando meu coração perde-se na escuridão da saudade
Busco no perfume de tuas lembranças as razões de meu existir

Quando nossos beijos nos permitem
Nossos olhos gritam diálogos improferíveis
Palavras não faladas...
...Apenas sentidas

Quando minha loucura permitir minha razão enlouquecer
Minha alma entenderá que o tudo é nada sem você

(AlexSimas)

Amor Sem Fim...


Embriaga-me o perfume de tuas palavras
Sussurradas ao pé da madrugada
Sob a ultima gota de lua
Que se reflete no fio que me atas

Quando o sol se convida a deitar em nossa cama
Vão-se as sombras
Tangidas pelo frescor preguiçoso de teu acordar

Teu olhar languido me diz
Bom dia Amor!
Então percebo-me teu
E percebo-te minha

Enquanto a eternidade dorme
Para que nossas manhãs sejam infinitas

(AlexSimas)

terça-feira, 10 de junho de 2008

Recíprocos...


Desejo-te alem do próprio desejo
Alem da loucura, alem do tempo

Sinto-te correndo em minhas veias
Alimentando cada célula do meu ser
Com a mais pura essência do amor
Que te habita

Adivinho-te, pressinto-te...
Ouço teus Pensamentos em minha alma

Te dou minhas asas para que voes livre
Para onde quiseres, quando quiseres

Respiro-te com a ânsia de um afogado
Devoro-te com a gula dos esfomeados

Emociona-me ver refletido em teus olhos
A luz dos filhos que ainda não tivemos...

Segurar-te em meus braços e sentir tua
Ternura pulsando em meu peito
Apertando meu coração...

Quando me acolhes em teu colo e tua
Voz como uma canção me diz...
...Eu te Amo.

(AlexSimas)

sexta-feira, 23 de maio de 2008

Esperança.


É no pulsar arrítmico de meu peito
que percebo a significação extraviada
do poema que umedece meus olhos.

E nas mortas horas da espera
em que a saudade insone escurece a noite
minha alma grita teu nome calando o silencio
em que mergulhou meu coração.

Refugio-me nas lembranças do ontem para
te sentir presente na distancia que te faz longe.

Deito-me sob a mansa luz da lua
em cuja face busco enxergar teu reflexo...

Esse inverno vai passar, e como um sonho ruim se esfumaçar
nas manhãs da primavera que sempre chega com o sorriso...
...Que o sol roubou de ti.

(AlexSimas)

terça-feira, 6 de maio de 2008

Mamãe...

Senhora que em tempo se transforma
Chama perene que o vento não dobra
Água da fonte que jorra eterna...

Ventre jardim de frutos divinos
São sempre mais belos os filhos teus
Eternas crianças que de ti nasceram
Sejam simples homens ou o filho de Deus.

O universo é uma pequena faísca...
...Perante o amor que te habita
Teu abraço (hummm!!) aconchego de paz
Olhar que reflete vida, luz infinita.

Perdoe-me mãezinha, ser tão pobre meu vocabulário
Pretensão minha discorrer em versos o imponderável
Medir em palavras o imensurável, melhor calar.

Porque a muito é sabido...
...Sinônimo de Mãe é Amar.

(AlexSimas)

sexta-feira, 25 de abril de 2008

Enigma...


Quais mistérios nos atraem
Nos comprais em serenas nuvens
Por vezes tempestivas?

Senta-te comigo à sombra da lua
Conta-me de teus sonhos, ilusões...
Ate que o dia se faça dissipando a noite
E a tormenta das duvidas se dissolvam

Não se faças segredos, não me negues desejos...
Deixa que os vapores de teu hálito me envolvam
São muitas as madrugadas em que a saudade me abraça
Entalando o silencio em minha garganta
Gritando lembranças de promessas não cumpridas

Faze-me cúmplice de teus pecados, loucura...
Sepulta minhas duvidas sob o concreto da franqueza
Apunhala a morte desperta que ronda prematura...
...Esse amor que nasceu para ser eterno.

(AlexSimas)

quarta-feira, 16 de abril de 2008

Eternas Rosas.


Contemplo-te Rosa...
Agora morta, marcando o livro que lhe guarda...

Busco-te Rosa...
Pétalas secas, vida presa entre letras...

Choro-te Rosa...
A mão que ti colheu, enxuga agora as lagrimas de sua própria tristeza...

Pergunto-te Rosa...
Qual tua culpa por tanto perfume e beleza?

Entenda-me Rosa...
Por amar te colhi, como presente te usei...

Perdoe-me Rosa...
Te sacrifiquei por comparar-te a quem tanto amei.

(AlexSimas)

sexta-feira, 11 de abril de 2008

(Cris)talizando Poesia.

Te nasces poesia...
De teu coração escorrem letras
Transbordam por tuas mãos
Inundando mundos-almas.

Tua pena não só marca o papel
Marca vidas, ofuscando luas
Tua escrita tem cheiro, cor
Arco-íris de sonhos...
...Lagrimas e Amor.

Gritos silenciosos de místicos ventos
Fundem dias e noites, prazer e dor
Rosa vestida em armadura de espinhos
Cálidas tardes de outono...
Ébrias madrugadas de primavera...
Encantos rendidos em teu louvor.

É doce teu sal, de luz teus rastros
Miragem poética de pimenta e mel
Criança beija-flor, brumas e preamar
Labaredas de estrelas...Teu olhar.

Musa de anônimos suspiros
Cristal de pura matiz
Do alto dos séculos
Serás eterna...
...Amada Cris.

(AlexSimas)

terça-feira, 8 de abril de 2008

Amor... Prazer e Dor.


Primitivo corpo que arde
Amor que sobeja sob frio que queima
Versos buscados no inexplicável
Marcados à tinta sobre papel que sangra
Palavras perdidas na métrica distorcida
Da poesia sem rima que muito diz...
...Nada explica.

Olhar enleado
Alma que crer
Razão que duvida
Distancia maldita

Inverno parido das entranhas do sol
Esperanças reinventadas espalhando loucuras
Roubando vontades, febris delírios
Silencio que ecoa nos muros da noite.

Louco relógio que bebe as horas a bel prazer
Madrugada chegou, madrugada acabou
Não consigo dormir procurando você
E o amanhã que não chega...
Passam-se os dias como um rio
Das mesmas diferentes águas
Correnteza de sentimentos afogando lagrimas
Grito um sorriso agradecido por viver esse amor...
...Doce e dolorido Amor.

(AlexSimas)

sábado, 5 de abril de 2008

Vamos pra casa...


Chovia uma chuva brilhante...
Pareciam gotas de cristais reluzindo ao sol
Encantado sai sob aquela chuva.
Sua água era morna e suavemente salgada
Não era chuva, eram lagrimas...
Olhei para o céu e vi que era Deus quem chorava
Responda-me porque choras meu Senhor?

Eu choro filho meu de tristeza e decepção
Choro por ti e teus irmãos...
Choro por ver que vocês nada aprenderam
Dos ensinamentos que vos deixei
Choro de ver destruída minha criação
Choro por velos afastando-se de minha casa
Choro como chora o pai zeloso
Que espera ao portão seus filhos na noite perdidos
Choro de saudades do abraço que vos guardo...
...De tê-los ao meu lado, em nossa casa aos meus cuidados.

(SamiSXela)

sábado, 29 de março de 2008

Amor...Nada Mais.


Vim te falar das muitas coisas que me habitam
Adormeci sobre o poema que te escrevia.
Sonhei-te consciente, sentimentos imprudentes
Uma serenidade divina, quase incômoda
Apossou-se de minha alma, essa que te escreve.

Descobri-me personagem dessa fantástica fabula...
...Nossa historia, Mutação perfeita da semente plantada.

Seu e meu sentimento, coquetel de paixão desmedida
Que me embriaga lentamente, admira e assusta...

Cruzo pontes de invernos e outonos...
...Para encontrar-me na tua sempre primavera.

Extraviei-me, me perdi pelos corredores das letras
Dessa escrita sem sentido que busca te dizer
Do que alem te amo, me pergunto porque?...
...Simplesmente te amo, nada é alem do amor.

(AlexSimas)

terça-feira, 25 de março de 2008

Caminhos do Coração.


A estrada que me leva ate você
É a mesma que me afasta...

Na ida eu vôo, sinto o vento
Ansiedade doendo nefasta.

Na volta me arrasto, sinto a lagrima
Levo a saudade por companheiro...

Na ida o tempo se faz preguiçoso
Maltratando-me o desejo.

Na volta solidão me faz companhia
Em minha pele viaja teu cheiro...

Minhas mãos ainda sentem teu calor.
Na boca a marca do teu beijo.

A lembrança do brilho de teu sorriso
Não ofusca minhas ilusões...

Sonho acordado ao som do motor.
Misturo estações, rádios e canções.

De meus lábios brota silenciosa prece
Para jamais me perder nos desertos...
...De tua ausência.

(AlexSimas)

terça-feira, 18 de março de 2008

Amor Simplesmente Amor

Patético!? Sim eu sou...
Porque amo pateticamente.

O amor me deixa sem limites
Sem margem, fronteiras para sonhar
M’alma tem sede do divino prazer de amar
Ardo em fogo, queimo no infinito
Como estrela, mesmo depois de morto
A luz desse amor viajará pelas galáxias
Iluminando mundos.

Derramo-me em sangue, seiva e vida
Deságuo minhas lagrimas em palavras
Visto-me de cambraias, me cubro de promessas
Pelo simples prazer de sofrer de amar...

Vagueio por entre abismos de sentimentos
Montando um cavalo de muitas luas
Na bagagem levo-te um presente
Minha humana incompleitude.

Dou-te meu pior e meu melhor...
...Porque só no amor sou inteiro.

(AlexSimas)

segunda-feira, 10 de março de 2008

Louco, Graças a Deus!


Viajo num beija-flor voando nas asas do vento
Levo na mão a rosa de um príncipe menino
Que cavalga cometas e conversa com raposas
Minha espada é a palavra, meu escudo o coração
Vôo de alma vendada e danço a musica do tempo
Eles me chamam louco por não ouvirem a canção

Desvio-me das movediças areias da mentira
Onde me espera a hipocrisia com sua boca de fome
Não me assusta o brilho nos olhos da morte
Guio-me com a bengala da intuição pelos escuros
Caminhos da vida onde o futuro é o minuto seguinte
Meu medo é dos abraços frouxos...
...E dos beijos na face.

(SamiSXelA)

quinta-feira, 6 de março de 2008

Poesia! Teu Nome é Mulher.


Mulheres não são humanas
São anjos, espiãs de Deus
Aqui colocadas para cuidar
Da vida e do amor, zelando
Por toda a obra da criação...

Criadas com pedaços do universo
Seus olhos são estrelas
De sua face a lua reflete a luz.
Seu coração um infinito de saber
Seus braços, morada de carinho e calor...

Mulheres choram de alegria e de sofrer
Choram por qualquer motivo, ate sem querer
Choram porque são suas lagrimas que alimentam
As flores e fazem doce os frutos...

A elas foi dada a cândida beleza dos anjos
O dom da vida gerando os filhos do senhor.

É tanto a falar da mulher que toda tinta e papel
E todas as línguas faladas e escritas é pouco...
...Para o mínimo delas descrever.

E Deus em seu supremo saber
Se houvesse de escolher...
...Com certeza mulher haveria de ser.

(AlexSimas)

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

Em Nome do Amor...


Amor único que vive em meu céu
Santificado seja teus eternos breves
Vele por mim em tua santa pureza
Que seja sempre feita a tua vontade

Sóis pão que alimenta a alma, todos os dias
Perdoa-me a paixão que me arde em ciúmes
Assim como perdôo teus devaneios
E o destino que teima apartar-te de mim

Permita-me cair em tuas tentações
E viver a teu lado todo o sempre
Livrando-me do mal da saudade...
...Que assim seja, amem!

(AlexSimas)

terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

Atemporal...


Minha cama chora tua ausência
Meus olhos degustam tuas lembranças
Perco-me das horas no plexo de teu abraço

As lagrimas que chora tua distancia
Esperam por tuas mãos às enxugando.
Em tua entrega terminei minha procura.

Anseio pelas noites em que roubas meu sono
Garimpando de meus lábios teus beijos
Em inesquecíveis madrugadas de amor.

Fazes eternos nossos momentos...
As horas apressadas que estais comigo
Petrificam as areias do tempo...

Alma tatuada no fogo de tua paixão
Nunca antes de você...
...Havia amado assim.

(AlexSimas)

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

Eterno...


Fico acordado só para ouvir teu respirar
Desejando perder-me em teus sonhos
Clarear meu noturno no brilho de teu sorriso
E viver uma eternidade inteira assim.

Cada momento a teu lado é um eterno sem fim
Meus olhos não querem nem piscar
Para não te perder um instante sequer.

E para sempre quero viver assim
Em tua cabeça perdendo meu juízo
Sentindo em meu peito teu coração bater.

E todo o sempre seria pouco...
Para caber todo esse amor

E todo o sempre seria pouco...
Para te dar todo o carinho que tenho guardado

E todo o sempre seria pouco...
Para matar toda minha fome de teus beijos

Faz de meus braços tua morada
Deixa tua pele sentir meu arrepio
Deixa meu coração bater no ritmo do teu

E todo o sempre seria pouco...
Para o silencio gritar os ecos de meu desejo

E todo o sempre seria pouco...
Para minha carne saciar-se de ti

E todo o sempre seria pouco...
Para o universo entender como é doce amar assim.

(AlexSimas)

...Bem me quer.


Meu coração flor delicada
Entre-conchas de tuas mãos se encontra
Para fazeres dele o que bem entender...

Não o desfacele no brincar de adivinhar
O que de todo o mundo é saber
Arrancando-lhe pedacinhos em desfolhar sem fim

Na terra face e vida
Derramas minhas pétalas lagrimas
Para no final descobrir que serás sempre...
...Meu bem querer.

(AlexSimas)

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

Ecos...

Meu jeito secreto de lhe falar

Cala-se no limite das palavras

Silencie, há coisas feitas para sentir

Através do grito do meu olhar

Vagueia sons pela noite a fora

Horas te desenho, ar que sufoca

Sussurra teu nome aos ouvidos

Lábios encharcados de serenidade

Desritmo, ao ritmo que forte surges

Tua face abrangendo todo meu ser

Emudecendo-me com teus beijos

Toque no meu toque, fervendo

Cheiro no meu corpo entranhando

Abraçando-me em roucos delírios

Sacio-me de ti, dispersos sentidos


[ Alex Simas, Cris Poesia e Cáh Morandi ]

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

Infinito Amar...


Passeias por meus sonhos qual colibri em campo de flores
Fulgidas emoções flutuam por sobre os raios do alvorecer
O dia que tardia, se acostumou a acordar com teus olhos
Envolve-me qual rio em tuas misteriosas águas abissais
Findo os descaminhos no encanto mágico de teus braços
Evapora-se o perfume de tua pele, soltando-se gravidade
Teu cabelo lembra a beleza da água caindo das nuvens
Despertam-se os sentidos na arte do teu nu adormecido
A infatigável roda do mundo para, admirada da tua beleza
Do rastro de teus passos ascendi da terra aroma de flores
No movimento em que tu és o relógio, senhora do tempo
Desvendas as luzes da manhã com raios de lua no sorriso
Numa voz sereníssima como o vento que ultrapassa a janela
Em deslizar insólito flutuas aflorando os pólos de m’alma
Onde essa tua calma, vestida de paz é mais que tudo...

AlexSimas & Cáh Morandi

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2008

Prosopopéia...

Faço silencio para escutar o rumor de teus passos
Que chegam em lembranças como uma brisa de evento fresco.

Faço silencio para sentir tua presença
Que faz pulsar meu coração e com ele toda a natureza.

Faço silencio para sentir o sofrimento bom do teu lembrar
Que sossega meu coração estilhaçado e afasta as bestas da solidão.

Faço silencio para meu pensamento voar
Deixar a prisão da saudade e declarar ao ouvido de tua alma meu muito amar.

Faço silencio para não atrapalhar o ritmado tilintar de minhas lagrimas
Que escorrem pelo assoalho de minha garganta levando frio ao meu coração.

Faço silencio para apreciar o crepitar das chamas da paixão
Deixo acesa a fagueira que acendeste em mim e em fogo de esperança queimo.

Faço silencio para que o mundo ouça minha alma gritar
Da falta que sinto de teus lábios deitados sobre os meus me roubando segredos.

Faço silencio em meu eterno esperar um sussurro da tua boca sentenciar...
...Voltei pra nunca mais de deixar.


(AlexSimas)

terça-feira, 12 de fevereiro de 2008

Pensamentos

Dê um motivo a uma pessoa e ela deixará cair a máscara e revelará quem é e o que pensa.

(AlexSimas)

Pensamentos

O Amor é como um belo jardim, e tanto em um como no outro não são as ervas daninhas que os matam; Mas o descuido do Jardineiro...

(AlexSimas)

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008

Desabafo...


No sozinho de minhas letras
Escrevo versos sem causa
Para falar de m’alma flambada
No fogo de paixão desmedida

Tristeza pingando dos olhos
Desabafo minha saudade
Gastando tinta num bilhete
Que já não sei ter endereço

A chuva canta no telhado
Intermináveis noites úmidas
E no abandono do esquecido
Vou tentando te encontrar

Minha boca senhora das falas
Emudece, desconhece palavra
Que dê beleza ao sorriso
Que teus lábios varandeia

Olhando o vago do tempo
Só consigo enxergar você
Num raio de prata a lua
Manda recado...

Sossega o coração poeta...
...Esse amor ainda não é acabado.

(AlexSimas)

segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

Andanças...

Já andei por muitos sonhos acendendo estrelas
Por mares desérticos, frias camas aquecendo ilusões.
Propus-me a rir e cantar empíricas volúpias...

No meu olhar o brilho do luar roubado das madrugadas
Mudando como lótus na superfície da água, Édipo espelho.
Brinquei de esconder com minha sanidade, genuflexo em prece.
Milhões de caminhos se abrem a minha frente misturando-me
Vivo como elementos de uma fabula trancados em uma caixa mágica.
Procuro pelas luzes roubadas do universo por teus olhos...

Abrigo-me à sombra do coração que flutua no limiar da loucura
Desejos insones amanhecem alados sob as chuvas do passado
Infatigável, deixo-me guiar pelo poeta em seu jardim de palavras.

A eternidade se finda, põe-se com o sol desnudando a lua, aflição.
Pedirei ao verso que me conceda o entendimento, empíreo sacramento.
A diástase do destino não impede a arborescência da paixão, luminescência.
As cartas escritas ao desatino retornam sem as respostas obsecradas.
Interno-me na obscura noite senhora dos entendimentos, mãe esclarecedora.
Mãos suaves tocam minha alma libertando melodias de encantamento.

Imolo-me na sagrada fogueira da saudade cujas cinzas alimentam o amor.
Na bolha de sabão em que viajo mora um arco-íris que guarda um tesouro
Fúlgida formula de minha ansiada felicidade...Você.


(AlexSimas)

quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

Angustia...

Destilo saudades em copos vazios
Entre uma balada e um blues...

A corda quebrada do violão nega a nota
A letra da canção só tem teu nome...
...Titulo e refrão.

A melodia marulhada das ondas
Batem contra minha sanidade
Como a buscar lógica na loucura

Mordo o lábio, deslizo pela musica
De meu respirar ofegante...

Teu cheiro me invade, inebrio-me...
Mágico perfume criado por alquimia
De algum boticário antigo...
...Formula perdida no tempo.

O vinil na vitrola chega ao fim
Os músicos recolhem-se ao silencio

Lembranças ébrias de boemia
Insistem em mais uma contra-dança

A madrugada deita-se sobre a noite
Cobrindo-se com o alvorecer...

Na parede um calendário riscado
Marca menos um dia...
...Na eterna ânsia de encontrar você.

(AlexSimas)

Em Cena



Riram baixinho, vestidos de volúpia
Como a buscar lógica na loucura
Fluida entre minúcias abrasivas
Tomados de profana sensualidade
Desmanchando fragrância pelo cenário
Corpos vagando pela noite dançante
Acobertados pelo manto pecaminoso
A realidade escorrendo por suas mãos
Porosas, de repleta enloquência
Amantes livres, sem culpa ou remorso
Esculpindo ardor, libertas vontades
Supremos intérpretes da arte do amor
Pelos palcos do irrefreado desejo
Desvarilhos de prazeres encenados
Fulgurando no universo aclamado.

~ Cris Poesia & Alex Simas~

quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

Paradoxo...

Cobre ó lua a tua brilhante face
Que reflete a imagem que teima
Assaltar meus sentidos libertando
Lembranças trancadas nos porões
De minha sofrida memória...

Deixa-me sozinho impregnado do
Cheiro da solidão soprado pelos
Dragões disfarçados de moinhos
Onde travo quixotescas batalhas
Contra a saudade que me adentra
Por portais clandestinos...

As poucas nuvens de esquecimento
Que se formam a partir do vapor de
Minhas lagrimas e tentam em vão te
Ocultar cai como chuva alimentando
O amor plantado em meu coração...

(AlexSimas)

terça-feira, 15 de janeiro de 2008

Lascívia...

Pouso meus olhos em teu corpo nu
Vislumbro teus mamilos endurecidos
E eretos ao toque de minhas mãos.

Tua língua quente invade minha boca
Prendes meus lábios entre teus dentes
E crava tuas unhas em minhas costas
O fogo antes lento tem agora a fúria
De um incêndio, m'alma vomita fogo
Expele chamas por todos os poros...

Milhões de borboletas de asas tremulantes
Invadem-me quando me enlaças com tuas
Pernas encaixando-me em teu quadril me
Levando para dentro de ti com a maestria
Da messalina, da dama que sabe ser puta.

Sinto-me pégasos cavalgado por Afrodite
Se for loucura desejo permanecer louco...

(AtsoC ErdnaxelA)

quinta-feira, 10 de janeiro de 2008

Miragem...

Esse silencio que não se cala
E como éter evapora minha alma
Destilando saudade tão amarga
e ao mesmo tempo tão doce...

Saudade de uma paixão que me
Destrói e me recria todos os dias
Afastando-me da realidade...

Qual falcão em busca de sua presa
Mergulho na mais profunda câmara
De meu coração onde guardo esse
Amor sustento da imortal esperança.

Fito-me no espelho buscando tua
Imagem tatuada no fundo de meus
Olhos escondida atrás das lagrimas
Que a desfocam...
...Mas não a apagam.

(AlexSimas)



sexta-feira, 4 de janeiro de 2008

Fogo e Lagrimas.

As lagrimas que vertem de meus olhos
e correm como um rio em minha face
tem à nascente em teu coração.

Lagrima alguma apaga o fogo de um
coração atormentado pela saudade.
Meus olhos não escondem a dor
porque ainda não aprenderam a mentir.

Busco na noite a luz de teus olhos
Uma luz sem a impaciência do fogo
Um brilho maior que o sol do meio dia

Recolho-me à solidão contemplativa
onde materializo teu olhar me abraçando,
aquecendo minha alma combalida pela
ausência da paixão que a alimenta...

No calor do sal de minhas lagrimas...
...Reservo-me o augusto direito de te amar.

(AlexSimas)