quinta-feira, 15 de abril de 2010

Peregrino...

Peregrino...

Trago pés calejados de tanto andar
Nesta terra para onde vim há muitos anos
Muitas ruas de mesmas janelas
Tantos rostos de diferentes corações
Braços cansados de abraçar apenas corpos
Faces inexpressivas de sorrisos aguados
Silhuetas apagadas sobre a mesma paisagem
Amores vendidos por uns poucos trocados

Banquetas de camelôs ofertando sonhos usados
Pessoas abandonada nas calçadas como lixo jogado
Vozes roucas das mesmas ladainhas
Pregando contra os mesmos pecados
Ouvidos moucos de apenas palavras
Eterno jogo de interesses e favores trocados
Vida de medo do nome negativado
No SPC do céu por um dizimo atrasado
Igrejas orgulhosas de seus milhões de fiéis
Cidades acanhadas de tão pouca gente

Trago pés calejados de tanto andar
Nesta terra onde ei de morrer
Mas não sem antes abraçar almas ao invés de corpos
Receber sorrisos temperados de franqueza solida
Ver corações debruçados em janelas
Silhuetas brilhantes enfeitando a paisagem
Amores doados em troca de nada
Sonhos novos iluminando as pessoas das calçadas
Vozes tilintantes pregando esperança
Vida de gloria em um Deus amado
Cidades abarrotadas de gente
Igrejas vazias de hipócritas

Então terei orgulho de ter sido peregrino nesta terra...

(SamisXela)

Um comentário:

jefhcardoso disse...

Muito bacana esse texto de Samis Xela!

Alexandre Simas, obrigado por seu espirituoso comentário em meu Bronson no meu blog.

Sorriso e abraço do Jefhcardoso!