quarta-feira, 9 de março de 2011

Dor de Palhaço...



Nasci Arlequim, alegre e saltitante
Criei-me Arlequim, saboreando a vida
Roubando manga, caçando passarinho
Vivi Arlequim, bebendo na taça do sonho
Vagando madrugadas, amigos e namoradas
Poeta e trovador, amante da lua e do vinho

Encontrei-te Colombina
E todo o universo Alerquinhou-se
Minhas noites agora tinham duas luas
Os teus lindos olhos... Olhos do Amor
Quando te desabrochava em sorrisos 
A primavera encantava-se... Augusto festival
Tudo era luz... Tudo era flor...
Feliz palhaço... Vivendo de cambalhotas
Em meu mundo tudo era criança...
... Folguedos e marshimellow
Todos os dias eram de carnaval

Quando ti fostes Colombina...
Tatuei na face uma lágrima
As minhas secaram... Tal qual minha alma
E agora Colombina todos meus dias são cinza...
Desbotaram-se as cores... Acabou-se o carnaval
Coleie em meu corpo uma roupa preto e branco
Troquei cambalhotas por um andar cocho
Roto... Ainda sou palhaço... Menestrel da dor...
Morreu Arlequim... Sou agora Pierrô

(AeSSeCÊ)

2 comentários:

Sonhadora disse...

Lindo poema...uma dança de carnaval numa bela melodia.

Beijo
Sonhadora

Cris de Souza disse...

sabe comvencer a platéia...

beijo-te!